Estenose lombar

Doenças & Problemas

Dr. Emiliano Vialle, Cirurgião de Coluna Vertebral

2016

A estenose (estreitamento) do canal vertebral pode ocorrer por diversas causas. As mais comuns são a congênita (a pessoa nasce com o espaço para a medula estreito) e a degenerativa (as articulações da coluna sofrem um espessamento com o tempo, comprimindo a medula e os nervos que vão para os braços (na estenose cervical), e para as pernas (na estenose lombar). Em casos avançados, pode haver dificuldade para caminhar, perda de coordenação motora (dificuldade para vestir-se, segurar talheres, escrever), e alteração de controle da urina e intestino.

Tipicamente, a pessoa com estenose lombar passa a ter dores nas costas e pernas após ficar em pé por algum tempo, ou caminhar uma distância específica. A dor piora a ponto da pessoa ter que parar  e sentar-se ou arcar a coluna para frente, até obter alívio dos sintomas.

O tratamento inicial inclui exercícios de fortalecimento dos músculos da coluna, tentando estabilizá-la. Se a dor é muito intensa, um bloqueio anestésico guiado por imagem pode ajudar a aliviar os sintomas e diminuir a irritação local.

Na falha do tratamento conservador, a cirurgia é necessária. Ela consiste da remoção do osso em excesso, que está comprimindo os nervos. Dependendo da quantidade de osso removida, pode ser necessário o uso de implantes especiais, que impedem que a coluna fique instável (com movimento excessivo) após a cirurgia. Os resultados são muito bons, mesmo em pacientes com mais de 80 anos de idade.

O paciente deve saber que a cirurgia não impede que a estenose se forme novamente, ou que ocorra em outros níveis. Portanto, um acompanhamento continuado é necessário.